DEFENDENDO O SERVIDOR PÚBLICO
Redes Sociais:

Notícias CNSP

DIABO CALOTEIRO EM CAMPANHA PRESIDENCIAL ACENA COM O PAGAMENTO DE PRECATÓRIOS MAS QUER LEVAR 40% DO QUE É SEU COM O DIABÓLICO E IMORAL ACORDO

Publicado em: 19/02/2018

Com  a incrível afirmação em que o pagamento poderá ser antecipado após 17 (dezessete) anos de calote (2001/2018) o diabo Governador do Estado de São Paulo e o capeta auxiliar, fiel escudeiro Procurador Geral do Estado querem levar vantagem na fogueira do desespero financeiro em que se encontram os servidores ainda vivos, ativos, aposentados e pensionistas.

Os que já faleceram (mais de 100.000), sem receber somente os herdeiros que também podem fazer o “acordo” afirmando que serão liberados 7,7 bilhões, sendo 3,85 bilhões para acordo.

 

Sem dúvida, parte deste montante está fazendo uso da conta de depósito judicial “cortesia com o chapéu dos outros”.

 

Ora e porque “acordo”, se a sua obrigação é pagar integralmente?

 

Os servidores sem aumento há anos são tentados pelo diabo caloteiro, mas devem resistir.

 

Você com mais de 60 anos ou com doença grave de acordo com a Emenda Constitucional nº 99 de 15/12/2017, pode receber integralmente R$145.884,55 e mesmo que já tenha recebido parte poderá complementar sem qualquer desconto ou acordo.

 

Já alertei por diversas vezes e as entidades tem lutado e conseguiram aprovar no Congresso Nacional a E.C. 99/2017 para acabar com a maldita T.R. que o Governo aplicava como correção monetária e levava mais de 35% do seu legítimo crédito.

Ainda não quer pagar os juros da mora entre o período de 1/7 de um exercício até 31/12 do outro exercício (9% que atualizado significa mais de 30%).

Veja, no fim não sobra nada e ainda argumenta com a expectativa de vida que é o melhor fazer o acordo e receber antes de morrer.

Dignidade não tem preço nem acordo.

Para quem é íntegro, significa integralidade.

Não aceite, pois salário, aposentadoria e pensão é caráter alimentar.

Veja a matéria explicativa a seguir com cálculos exemplificativos.

Se tiver dúvida, entre em contato com a sua entidade e com o Advogado do seu processo.

 

A pergunta a ser respondida pelo Governador Alckmin é:  porque neste ano eleitoral vai pagar precatórios e mesmo assim com o imoral e vergonhoso acordo de 40%?

 

A matéria do Jornal Folha de São Paulo, não explica e não responde, mas nós sabemos o porque.

 

Seja altivo e mesmo com a dificuldade financeira, não deixe caloteiros levarem vantagem do próprio calote.

É hora de mudar a conduta de governantes de plantão revertidos de diabo.

A sua resistência é que faz a honradez da cidadania que deve ser respeitada.

 

 

FAZER ACORDO DE 40% COM O ESTADO É “VENDER A ALMA PARA O DIABO”

 

 

O diabo é o Governador Geraldo Alckmin, que editou o Decreto nº 62.350 de 26/12/2016 em seu artigo 5º com a indecorosa proposta de desconto de 40% sobre a totalidade do crédito pelos critérios de atualização da Procuradoria Geral do Estado, com a assessoria do “capeta auxiliar” Procurador “gênio do mal” Elival, (quem sabe ainda pretende calcular com a falecida T.R.).

 

É importante destacar que o precatório alimentar não é pago desde 2001, ou seja, 17 (dezessete) anos de calote e você que tem o legítimo direito de receber em vida (já faleceram mais de 100.000 sem receber), cansado de esperar, imagina aceitar o acordo.

 

Por mais desânimo, não aceite, pois esses caloteiros vão ter que pagar integralmente e eles não podem levar vantagem com o indevido desconto de 40%, como se fosse prêmio por não ter pagado todos esses anos.

 

Deveriam ter sofrido impeachment, o que não ocorreu pela omissão constitucional do Supremo Tribunal Federal, crime de responsabilidade, improbidade administrativa e principalmente inexigibilidade, porque é ficha suja.

Depois de tanta luta com a PEC 62/2009, ela se transformou na Emenda nº 94/2016 e atualmente a Emenda nº 99/2017 (derrubando a PEC do Serra, que queria calote de mais 30 (trinta) anos), devo alertá-lo que conseguimos uma grande vitória que você deve levar em conta antes de pensar em fazer qualquer acordo:

 

1.       Adoção do índice de IPCA-E, ao invés de T.R. para atualização da correção monetária (diferença a nosso favor em mais de 40%);

 

2.       Utilização dos recursos da conta depósitos judiciais como acréscimo à verba do orçamento para pagamento dos precatórios;

 

3.       As preferências relativas à idade, estado de saúde e a deficiência serão atendidas até o valor equivalente ao quíntuplo fixado em lei, para fins do disposto no parágrafo 3º do artigo 100 da Constituição Federal (Pequeno Valor – R.P.V.), admitido o fracionamento para esta finalidade e o restante será pago em ordem cronológica apresentação do precatório. 

Veja, o valor destinado da conta depósitos judiciais é considerável (mais de 5 bilhões ao Governo do Estado), acrescido do percentual da receita corrente líquida anual, de plano, paga mais da metade da dívida, sem qualquer acordo ou desconto.

 

A super preferência para idade e estado de saúde no caso do Governo de São Paulo equivalente ao quíntuplo da Requisição de Pequeno Valor – R.P.V. , hoje representa R$29.176,91 x 5  = R$145.884,55, o que por si só demonstra que você pode receber integralmente, independentemente de acordo.

Exemplificando:

É sem dúvida, vender a alma ao diabo, recebendo como esmola o seu legítimo direito.

 

A dignidade não aceita acordo, ela exige integridade e integralidade!